serpente
Mitologia da bíblia
setembro 5, 2018

adao e eva

Os primeiros seres humanos a existirem na Terra teriam recebido os nomes Adão e Eva por seu criador na versão mitológica bíblica do livro Gênesis. Adão foi o homem que Deus haveria criado a partir do barro, e Eva teria sido feita a partir de sua costela. A palavra Adão, Adam, ou Adamu, significa “homem” ou “eu sou homem” em hebraico, mas em algumas traduções significa “homem vermelho”, numa relação ao barro da terra. Já para a palavra Eva, encontrei o significado “serpente fêmea”. As mulheres serpentes são bastante citadas na mitologia egípcia, elas significam a terra, a sabedoria, e estão relacionadas à cura, pois a serpente representa a medicina, mas na versão cristã, adotada pelos abraâmicos que são semitas e contrários aos camitas (o povo serpente), a mulher então, deve ser submissa, assim como Noé decretou que os camitas fossem, ao expulsar Cam e condená-lo a servir Sem. Uma desculpa bastante conveniente para oprimir o sexo oposto e conter o conhecimento e a inteligência daqueles que viriam a seguir. A palavra Can significa serpente e é daí que surgem as variações Cam, Canaã, e Caim.

O fato de Eva haver sido criada da costela de Adão, e não do barro, segundo os judeus cabalistas, representa a união das polaridades que se apresentam separadas nesta dimensão, ou seja, um pertence ao outro pois são partes do mesmo separados apenas pela ilusão da realidade desta dimensão. Mas um não é maior que o outro, ambos se complementam. Porém, os descentes de Sem, que significa ouro, pois durante milênios obrigou aos camitas que lhes servissem o minério em troca da paz, são também, os mesmos descendentes de Enlil, o deus sumério que tinha medo que os seres humanos adquirissem o fruto do conhecimento e assim se tornassem exigentes, e por este motivo, ao perceber que podiam raciocinar e aprender, mandou que os expulsassem do paraíso, Edin ou Eden.

Na versão suméria, Adão é Adapa, “homem vermelho”, e Eva é Titi, em homenagem a Tiamat, o dragão fêmeo que originou esta galáxia, teve seu corpo partido em dois, no qual sua cabeça é o planeta Terra, e a outra parte de seu corpo foi destroçada e formou o bracelete de asteroides em volta do nosso sistema solar. Por este motivo, em hebreu os nomes Adão e Eva possuem significado igual ao de seus antepassados, ou seja, “homem vermelho” e “mulher serpente”.

Leia Mais em: A Origem da Galáxia dos sumérios

A expulsão de Adão e Eva do paraíso

A versão suméria de Adão e Eva nos conta como os deuses Enki, Ninmah e Ningizida, criaram o homem a partir do barro do Abzu (montanha) e da manipulação do sêmen do Deus Enki. A alquimia era realizada na casa de cura e o suposto embrião, era colocado para ser gerado no ventre de um símio selvagem existente naquela época. Tudo isso parece muito estranho, a partir de que, esta é a descrição exata de um processo de manipulação genética autentico e moderno, proporcionado por pessoas há mais de seis mil anos. O texto completo pode ser encontrado na epopeia grafada em tabletes de argila suméria de nome “Enki e a criação do Homem”. Mas os deuses não acertaram de primeira, nasceram muitos seres deformados, cegos, sem capacidade de mobilidade, com problemas funcionais e outros, aterrorizantes, até que, a Deusa Ninmah decidiu, por amor a ciência, que gestaria o homem em seu próprio ventre, uma vez que encontrava na matriz o problema para tantos fracassos. Ela sabia que poderia gerar um monstro, mas não teve medo. Assim nasceu Adapa.

Devido ao sucesso do experimento, sete anunas se voluntariaram para dar continuidade ao projeto, e geraram sete fêmeas. A fêmea que gerou Titi era esposa do Deus Enki, Ninki. Ela quis homenagear Tiamat, o dragão fêmeo que gerou a Terra na mitologia suméria da criação da galáxia. Após soltarem os humanos nos jardins do Edin, ou, Eden, perceberam que não podiam procriar devido a uma falha genética. E os Deuses concordaram que os humanos necessitariam de uma alteração em seu DNA para que procriassem. Elohim no livro Gênesis, é o plural de Deus, que significa deuses. O Deus Enlil, o senhor dos semitas que é o Deus de Israel, foi contra. Ele tinha medo que o homem consciente e inteligente pudesse lhes fazer exigências e representasse uma ameaça ao sossego e regalias dos deuses. De qualquer forma, cedeu à insistência de seus meios irmãos, Enki e Ninmah, e seu sobrinho Ningizida, e concordou com a modificação genética, desde que a humanidade não recebesse a condição de viver eternamente. A verdade é que precisavam de mão obra para a construção de suas obras e minério de ouro, e o projeto deveria ser continuado.

A modificação no DNA dos seres humanos ocorreu a partir da retirada de uma célula da costela de Enki e também de Ninmah. Desta forma os seres humanos procriaram. Mas certo dia, enquanto o Deus Enlil passeava pelos jardins, ao perceber Titi foi até ela, e ela se cobriu. Este ato fez com que Enlil estremecesse, pois de fato, aquele ser humano era inteligente. Com medo, mandou que fossem soltos pela Terra.

Há escrituras apócrifas que nos contam como Adão, certa vez doente, pediu para que fossem até os jardins do Eden em busca de remédio para a sua cura e salvação, mas os deuses o negaram, ou não encontraram mais os portões do jardim. Eu sempre me perguntei, enquanto fazia o catecismo, onde ficavam os jardins do Eden, uma vez que deveria ser na terra, pela lógica da razão humana concedida pelos próprios deuses, mas me diziam que era no céu, e insistiam nisso sem evidência alguma sobre o que falavam, como se eu fosse obrigada a rejeitar a minha própria capacidade de pensamento lógico. Bom, influenciar os seres humanos a rejeitar a própria capacidade de pensar por si mesmos, deveria ser um pecado, e outro maior ainda, decidir por si mesmo, preguiçosamente, não fazê-lo. Mas ainda assim, sem qualquer preguiça, tenho dúvidas sobre a sua localização, uma vez que a manipulação genética é descrita e detalhada de forma física, entendo que tudo pode ter acontecido neste planeta, no entanto, a longa vida destes seres me faz questionar sobre outras possibilidades que ainda não me sinto segura em compartilhar.