Ebla
setembro 16, 2018
A criação do universo-Enuma Elish
setembro 17, 2018

 

A cidade de Mari, atualmente Tel Hariri, é um dos sítios mesopotâmicos mais importantes da história. Já foi considerada por alguns pesquisadores antigos, o Edin sumério, ou, o jardim do Éden bíblico. As pessoas que viviam neste local eram mais altas, mais saudáveis e viviam mais que a média entre a maioria. Segundo puderam observar os achados arqueológicos, haviam fontes de água abundantes na região, que se localiza a onze quilômetros da margem ocidental do rio Eufrates. Uma estátua da Deusa suméria Ninmah, contendo um dispositivo como um duto que passa por suas costas e acaba por desaguar num jarro a sua frente, foi encontrada na região. A cidade teria sido propositadamente construída para facilitar o comércio entre as cidades e as rotas comerciais do médio Eufrates. Ela ligava a Suméria ao Levante no Oeste, uma vez que estava a somente 30 km da sua fronteira ao sul. Curiosamente, as ruínas da cidade constituem um “tel”, que significa colina artificial, ou, colina construída pelo homem. Há uma passagem nas tabuletas sumérias, mais especificamente na décima tabuleta do dilúvio, descrita por Zacheria Sitchin em sua obra, “O livro perdido de Enki”, que nos diz sobre como os deuses irmãos, Enlil e Enki, optaram por enterrar os registros das cidades para que as próximas gerações, caso houvessem sobreviventes, conhecessem seu passado. Ela teria sido abandonada há aproximadamente doze mil anos, época em que aconteceria o fim da última era glacial, justamente numa data próxima a que se estima ter acontecido o dilúvio sumério. Aquela região da mesopotâmia, teria sido destinada ao clã da Lua.

Leia mais sobre: Ebla

Naquela região, após o dilúvio, se estabeleceu uma segunda Mari, e esta envolveu-se numa longa guerra com sua rival, a cidade de Ebla. Esta, por sua vez, é conhecida por manter uma forte afinidade com a cultura suméria e seus deuses representavam os dois clãs, sol e lua, o que indica uma suposta ocupação pós dilúvio pelo clã da Lua. Mari foi destruída pelos acadianos no no século XVIII a.C. Eles reconstruíram a cidade e permitiram o culto aos deuses antigos. Mas os governadores se tornaram independentes e houve a desintegração do Império Acádio. Os amoritas por sua vez, dominaram a região e a nomearam a capital da dinastia Lim. Pouco tempo depois, a cidade foi absorvida pela Babilônia e mais tarde esquecida.

As pessoas que viviam em Mari chamavam-se mariotas. Eles cultuavam as divindades semíticas e sumérias. Todos os povos que viveram ali depois os mariotas, ou seja, pré-amoritas, amoritas, e acádios, foram influenciados pelos sumérios.